Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Grandes Sons

Um pouco de música todos os dias. Ao vivo, em vídeo, discos, singles, notícias, fotos. Tudo à volta do rock e derivados.

Grandes Sons

Sufjan Stevens no Coliseu dos Recreios: Delírios fluorescentes


João Gonçalves


Querem saber o que é um concerto imprevisível, inesperado, surpreendente e realmente diferente do habitual? Então corram atrás de Sufjan Stevens que aos 35 anos abandonou a timidez (e a folk) e reinventou a personagem, a música e o espectáculo. Só visto porque contado nem dá para acreditar.


Quando partimos para um concerto transportamos no subconsciente uma ideia do que poderá vir a acontecer com base naquilo que já conhecemos dos discos ou através de relatos de actuações anteriores. No caso de Sufjan Stevens a antecipação não era nem fácil nem consensual porque sabíamos que tanto é capaz de compor belas canções que atravessam o imaginário folk como de devaneios sonoros experimentalistas como se pôde notar no mais recente disco «The Age of Adz».

Por muitas expectativas que houvesse nunca adivinharíamos o que Sufjan tinha para nos dar numa só noite (excluímos aqui os que estiveram na véspera no Porto, claro).

 

Um palco literalmente cheio de instrumentos e músicos vestidos e pintados de intensas cores fluorescentes. Para quem imaginava Sufjan vestido discretamente com o ar tímido que conhecemos de fotos e vídeos passados a surpresa é enorme. O homem traz um fato colorido próprio de um universo alternativo que ele depois explica ser o seu e aquele palco representar a sua nave espacial que aterrou no Coliseu para nos cantar (e falar muito) de amor, existência, cosmos e afins.

 

A entrada com «Seven Swans» é coreografada a preceito com Sufjan e as duas raparigas dos coros envergando asas de cisnes. A plateia demorou a reagir a todo aquele teatro mas aos poucos foi entrando no contexto do autêntico musical que é este concerto.

Quando o americano disse em entrevistas que não quer vender muitos discos, que não quer ser rico, que vive bem com o que tem porque não gasta muito e que não quer ser uma celebridade, não está a brincar. Em primeira reacção perante tanta excentricidade em palco pensamos que o homem é irónico mas no fim da noite chegamos à conclusão que realmente Sufjan fechou-se no seu próprio cosmos e só o quer sonorizar com estas músicas e exteriorizar desta forma original.

 

Da plateia ainda saem pedidos de canções mas Sufjan nem liga. Ele faz o que quer como quer. Se lhe apetecer dar uma palestra de alguns minutos sobre o seu admirado artista plástico Royal Robertson, ele dá ignorando as palmas e gritos que tentam cortar o discurso. O homem explica o que está ali a fazer quer queiramos ouvir ou não. À medida que o alinhamento avança mais surpresas temos nos intervalos como um ensaio falado sobre yin e yang que só identificámos devido à reacção da parceira do lado.

 

Para explicar o que é musicalmente este concerto agarramos em três exemplos: «I Want To Be Well», «Futile Devices» e «Impossible Soul». O primeiro é tudo aquilo de que é feito «Age of Adz», tema com muita agitação, variantes vocais e sempre em crescendo. A passagem é o choque com o oposto! Ao barulho sucede-se «Futile Devices» só com Sufjan e a sua guitarra em jeito de balada. É como se estivéssemos a ver dois concertos ao mesmo tempo, é como se Sufjan fosse bipolar. E é.

 

Para que não restem dúvidas tudo isto é misturado ao melhor estilo Bimby em «Impossible Soul», o longo tema que fecha o último disco, que em palco ganha vida própria e que durante largos minutos viaja por vários estilos que Sufjan domina explodindo numa espécie de rave com chuva de confetis e subidas às colunas levando a plateia a uma louca dança. Como sempre tudo termina em jeito de balada. Parece incrível mas é mesmo assim.

 

Para o encore, Sufjan regressou como se nada tivesse a ver com o caos que por ali passou e deixou vestígios por todo o palco. Veio calmo de T-shirt e ofereceu «Concerning the UFO Sighting Near Highland, Illinois», «Casimir Pulaski Day» e «Chicago» já com o povo debaixo de uma chuva de centenas de balões coloridos que ninguém vai esquecer.

Nós avisámos que contado ninguém ia acreditar mas um concerto realmente diferente é isto.

 

jjoaomcgoncalves@gmail.com

in Disco Digital

Sufjan Stevens volta a Portugal


Sufjan Stevens está de regresso a Portugal depois de há alguns anos ter passado pelo Festival para Gente Sentada.

Os concertos são anunciados na página da editora Ashtmatic Kitty e estão marcados para 30 e 31 de Maio, respectivamente nos coliseus de Porto e Lisboa. Os bilhetes custam 34 euros e a primeira parte será assegurada por DM Stith.

Sufjan Stevens está de regresso a palcos europeus com o novo álbum «The Age of Adz», do ano passado.

 

in Disco Digital

redes sociais

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais sobre mim

foto do autor

Links

actualize-se

Festivais

  •  
  • sirva-se

  •  
  • blogues da vizinhança

  •  
  • músicas do mundo

  •  
  • recordar João Aguardela

  •  
  • ao vivo

  •  
  • lojas

  •  
  • Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2008
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2007
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2006
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D