Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Grandes Sons

Um pouco de música todos os dias. Ao vivo, em vídeo, discos, singles, notícias, fotos. Tudo à volta do rock e derivados.

Grandes Sons

Hoje: Último Dvd de Blues no Público

Lightning in a Bottle – Um Tributo aos Blues de Antoine Fuqua

“Daqui há alguns anos, os historiadores vão apontar para este concerto-maratona de cinco horas... e maravilhar-se com a última vez que tais génios estiveram reunidos no mesmo lugar.”
Glenn Gamboa, Newsday

“Um Tributo aos Blues foi um contributo positivo para o carácter vibrante de uma das mais importantes formas de arte indígenas da América.”
David Sprague, Daily Variety
“O último volume desta colecção apresenta o concerto que, a 7 de Setembro de 2003, reuniu mais de 50 músicos de diferentes gerações e géneros musicais no Radio City Music Hall, em Nova Iorque, para fazer um tributo aos blues. Antoine Fuqua (Dia de Treino, Rei Artur) dirigiu o filme que capta as actuações de, entre outros, B.B. King, Bonnie Raitt, The Nelville Brothers, Natalie Cole, Bill Cosby, Macy Gray, Solomon Burke, Steven Tyler e Joe Perry, os respectivos ensaios e até as conversas de bastidores. E, porque uma viagem ao universo dos blues não ficaria completa sem grandes nomes como Muddy Waters, John Lee Hooker ou Jimi Hendrix, Lightning in a Bottle – Um Tributo aos Blues inclui ainda entrevistas e actuações de arquivo.

EXTRAS:
Selecção de cenas
Trailer Lightning in a Bottle – Um Tributo aos Blues

Hoje no Público

Padrinhos e Filhos/Godfathers and Sons de Marc Levin
20 de Março
“Sempre acreditei que os blues e o jazz partilham uma mesma estética: neles encontramos continuidade no caos, encontramos inspiração e deixamo-nos levar. Isso influenciou-me imenso como realizador.”
Marc Levin
“Chuck D., dos Public Enemy, e Marshall Chess, filho de Leonard Chess e herdeiro do legado da Chess Records, viajaram até Chicago com um objectivo: conseguirem convencer alguns do veteranos dos blues a produzirem um álbum em conjunto com alguns artistas contemporâneos do hip hop. Em Padrinhos e Filhos, Marc Levin (Slam, 1998; WhiteBoyz, 1999) relata esta viagem, ao mesmo tempo que descobre as “semelhanças” entre os dois géneros musicais. “Era a música do diabo, era sexo e todas essas coisas que os nossos pais não queriam que fizéssemos”, refere Levin a propósito dos blues e acrescenta: “o mesmo se passa com o hip hop e o rap”.



EXTRAS:
Entrevista, comentários áudio e filmografia do realizador Marc Levin
Actuações adicionais de Lulu com The Electrik Mud Kats com vocalizações de Chuck D., Common e Kyle Jason (Mannish Boy), Koko Taylor (Ernestine), Howlin’ Wolf (Evil)

Porque Hoje é Terça - Jornal Público

Aquecido pelo Fogo do Diabo/Warming by the Devil’s Fire de Charles Burnett

“Escolher a música foi a parte mais difícil, porque havia tanto material bom para escolher. Cada vez que regressava ao filme, acabava por escolher outra peça musical. Para realmente dar a conhecer os blues, é necessário fazer o impossível, apresentando tudo.”
Charles Burnett
“Natural do Mississipi, o realizador e argumentista Charles Burnett (decidiu abordar o tema que lhe foi proposto por Martin Scorsese de uma forma original e optou por contar a história de um jovem rapaz que, nos anos 50, regressa à terra onde nasceu (Mississipi) e reencontra a sua família, dividida entre o ódio e paixão pelos blues. Sobretudo porque, no meio religioso, o gospel possuía uma dimensão espiritual e os blues eram vistos como a música do diabo. O registo conjuga ficção e realidade, recorrendo a imagens de arquivo de Bessie Smith, Muddy Waters, Big Bill Broonzy, Ida Cox, Lightnin’ Hopkins, Dinah Washington, Sonny Boy Williamson, entre outros.



EXTRAS:
Entrevista, comentários áudio e filmografia do realizador Charles Burnett
Actuação adicional de Willie Dixon (Nervous)

Hoje no Público

A Caminho de Memphis/The Road to Memphis de Richard Pearce e Robert Kenner
6 de Março
“Os blues são a hipótese de celebrar uma das mais primitivas forma de arte americanas, antes que tudo desapareça absorvido, na sua totalidade, pela geração do rock’n roll. Felizmente chegámos antes que fosse tarde demais.”
Richard Pearce
“Memphis e os seus músicos estão no centro da acção do filme de Richard Pearce (The Long Walk Home, 1990; Leap of Faith, 1992). O realizador dá especial atenção a B. B. King que considera representar “uma geração de homens que saíram dos campos de algodão para se tornarem grandes figuras, em estrelas maiores do palco mundial”. Além disso, Pearce acompanha Bobby Rush na sua “digressão” pelo circuito de Memphis, revivendo o espírito de um percurso que nos anos 50 era feito pelos grandes bluesman. O filme apresenta ainda actuações originais de B. B. King, Bobby Rush e Rosco Gordon, bem como imagens raras de arquivo de The Coasters, Rufus Thomas ou Howlin’ Wolf.

EXTRAS:

Entrevista e filmografia do Richard Pearce
Actuações adicionais de B. B. King (Key to the Highway), Robert Belfour (Done Got Old), Humbert Sumlin e David Johansen (Smokestack Lightining)

Hoje no Público

Red, White & Blues de Mike Figgis
27 de Fevereiro
“Fazer este documentário fez-me compreender que existe tanta música por aí fora. Eu quis ir para Nova Iorque e apenas sentar-me com o Elvin Jones durante um fim-de-semana e vê-lo tocar bateria e falar sobre tocar bateria e como ele mudou o mundo como baterista.”
Mike Figgis
“Através de Red, White & Blues, o realizador britânico Mike Figgis (Morrer em Las Vegas, Ligações Sujas) regressa ao Reino Unido do pós-II Guerra Mundial e anos 60, altura em que The Beatles, The Rolling Stones, Fleetwood Mac e outros músicos criaram um novo género de blues, influenciado pelos autênticos blues negros dos Estados Unidos. Adepto deste género musical e ex-músico profissional, Figgis combina entrevistas com artistas que estiveram no seio do movimento britânico dos blues, como Humphrey Lyttelton, Lonnie Donegan, Georgie Fame, Eric Clapton, Mick Fleetwood, Steve Winwood ou Eric Burdon, com uma jam session onde participam Tom Jones, Jeff Beck, Lulu, Van Morrison, Peter King e Jon Cleary.

EXTRAS:
Entrevista, comentários áudio e filmografia do realizador Mike Figgis
Actuações adicionais de Lulu com Jeff Beck (Cry Me A River), Peter King (Lush Life), Jeff Beck (Nadia), Jon Cleary, Mike Figgis

Hoje no Público

A Alma de Um Homem/The Soul of a Man de Wiw Wenders

““Estas músicas têm um grande significado para mim. Sinto que há mais verdade em qualquer uma delas do que em qualquer livro que li sobre a América, ou em qualquer livro que tenha lido.”
Wiw Wenders
“Quando foi convidado a realizar um dos filmes que integraria a série The Blues, Wim Wenders (Paris, Texas, 1984; Buena Vista Social Club, 1999) soube exactamente o que queria fazer. Por um lado, queria homenagear dois dos seus músicos favoritos – Skip James e J. B. Lenoir. Por outro lado, pretendia analisar a tensão dramática existente em muitos bluesman entre o sagrado (gospel) e o profano (blues).

O realizador acabaria por “servir-se” da história de Blind Willie Johnson (que, pela voz de Laurence Fishburn, constitui o narrador da película) para conseguir unificar o filme. Com um carácter fortemente pessoal, A Alma de Um Homem inclui imagens raras de arquivo e interpretações de artistas contemporâneos, como Nick Cave, Beck ou Eagle-Eye Cherry, de músicas de Skip James, J. B. Lenoir e Blind Willie Johnson.

EXTRAS:
Entrevista, comentários áudio e filmografia do realizador Wim Wenders
Actuações adicionais de Lou Reed (See That My Grave Is Kept Clean), Cassandra Wilson (Slow Down), Chris Thomas King (Revelations), Marc Ribot (Dark Was The Night, Cold Was The Ground)

Hoje no Público

Piano Blues de Clint Eastwood

“Recentemente perguntei ao Jay McShann: ‘Descreves-te como feliz?’ Ele respondeu-me: ‘Bastante, mas por vezes não consegues vê-lo através do olhar’. Ao fazer um filme sobre os piano blues eu quero que a câmara olhe, mas não interfira com a forma de ver.”
Clint Eastwood
“A paixão do actor, realizador e músico Clint Eastwood pelos blues e pelo jazz não é novidade. Em Piano Blues, Eastwood senta-se ao piano com Ray Charles, Dr. John, Dave Brubeck ou Pinetop Perkins e questiona-os sobre as respectivas influências musicais e carreiras. Além disso, viaja até ao passado e recupera actuações históricas de Nat King Cole, Fats Domino, Charles Brown, Duke Ellington e Jay McShann, entre outros. Como explica o realizador de Imperdoável e Million Dollar Baby - Sonhos Vencidos, este documentário “deu-me a hipótese de fazer um filme mais directamente relacionado com o tema ‘música’, do que qualquer outro filme que tenha feito ao longo da minha carreira.”

EXTRAS:
Selecção de cenas (com acesso directo a todas as músicas do filme)
Trailer The Blues

De Regresso a Casa/Feel Like Going Home de Martin Scorsese

Sai hoje o primeiro dvd da colecção Scorsese.

De Regresso a Casa/Feel Like Going Home de Martin Scorsese
6 de Fevereiro
“Sempre senti uma afinidade com os blues – a cultura e as histórias narradas através da música fascinam-me e impressionam-me bastante. Os blues têm uma ressonância emocional enorme e são a origem da música popular americana.”
Martin Scorsese

“O primeiro DVD da colecção The Blues narra a história do género musical a partir das suas origens. Acompanhado pelo músico Corey Harris, Scorsese inicia uma jornada cujo ponto de partida é o Delta do Mississipi, região onde nasceram os blues, mas que se estende até África. O realizador ingressa numa viagem às raízes dos blues, procurando encontrar os paralelismos entre a música americana e africana. O filme presta, assim, homenagem aos pioneiros dos blues. No Mississipi, Corey Harris conversou com algumas lendas do género musical, entre os quais Otha Turner. De Regresso a Casa conta com performances originais de músicos como Willie King, Taj Mahal e Ali Farka Toure, bem como gravações raras de Son House, Muddy Waters, Lead Belly e John Lee Hooker.

EXTRAS:
Entrevista e filmografia do realizador Martin Scorsese e trailer de The Blues
Actuações adicionais de Willie King e The Liberators (Spoonful), Salif Keita (Folon), Otha Turner e Corey Harris (Sweet Home Chicago)

in Público

redes sociais

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais sobre mim

foto do autor

Links

actualize-se

Festivais

  •  
  • sirva-se

  •  
  • blogues da vizinhança

  •  
  • músicas do mundo

  •  
  • recordar João Aguardela

  •  
  • ao vivo

  •  
  • lojas

  •  
  • Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2008
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2007
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2006
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D