Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Grandes Sons

Um pouco de música todos os dias. Ao vivo, em vídeo, discos, singles, notícias, fotos. Tudo à volta do rock e derivados.

Grandes Sons

Alive Dia 3 - Rescaldo Palco Principal

No último dia do Alive o palco principal foi invadido pelo hip hop, e um parente distante do reggae, mas os seguidores dos géneros não apareceram em grande número. Foi pena, porque só a presença dos Beastie Boys justificava maior adesão.


Por volta das 23 horas acontece o momento mais esperado do Festival, o mítico DJ Mix Master Mike deu o mote sacando dos pratos de vinil os beats certos até lançar Body Movin` que marcou a entrada em grande estilo de MCA, Mike D, e Adrock. Foi a estreia dos Beastie Boys em Portugal, e com fatiotas a condizer. Os três de fato, gravata e óculos escuros atacaram de rajada «Root Down», «Triple Trouble» e «Sure Shot» em alta voltagem. Tudo se encaminhava para um concerto arrebatador, e inesquecível.

Mas os rapazes optaram por cortar o ritmo passando a apresentar os temas instrumentais do seu novo disco, o que até se percebia se não houvesse um concerto instrumental marcado para o dia seguinte , e se esta não fosse a estreia absoluta deles perante um público que esperou duas décadas para os ver. Mereciamos um concerto 100 por cento old school, e deixava-se os instrumentais para amanhã. Não foi essa a decisão da banda e então ficámos com uma actuação de altos e baixos. Claro que quando se dedicaram a temas como «Super disco breakin» , «The maestro»,«Skills to pay the bills», «Pass the mic», «Something`s gotta give» e até o básico «Brass monkey», ou «No sleep till` Brooklyn» a plateia reagia com justificada euforia, e as expectativas eram amplamente correspondidas.

A saída foi apoteótica com «Intergalactic», e o soberbo «Sabotage» a dar um final no auge como era desejo da banda. Foi um bom concerto que podia ter sido fabuloso.

Entre os fãs de Beastie Boys andaram os elementos dos Da Weasel que deram mais um sólido concerto antes dos nova iorquinos. A banda de Pacman está muito bem oleada ao vivo, atingiu o raro estatudo de consenso entre crítica e público, e passeia os seus êxitos pelos maiores palcos do país sem o menor problema. Em registo best of, com algumas passagens pelo novo disco, lá vão deixando as mensagens importantes como o uso do preservativo, chamam a atenção para o problema do racismo, animam as ninas com temas já clássicos, e são um valor seguro onde quer que actuem. Há dois destaques nesta passagem por Oeiras, a importante dedicatória a Marta Ferreira, manager dos Xutos & Pontapés falecida recentemente, e a chamada ao palco de um «gajo grande», segundo Pacman, Matisyahu. De resto foi irónico ver muitos dos jovens fãs virarem costas ao recinto após a actuação da banda de almada, não tendo interesse em ver uma banda que influenciou fortemente os seus ídolos.

Matisyahu foi a excepção ao hip hop neste útimo dia. Veio de propósito a Portugal só para actuar neste Festival e arrastou alguns simpatizantes do reggae branco tão em voga entre as gerações mais novas. Não se pode dizer que tenham sido momentos entusiasmantes mesmo para quem gosta de reggae, o israelita tem uma poderosa secção ritmica, e consegue fazer êxitos como «King Without a Crown» de onde descendem os outros temas. Enquanto a sua selecção empatava no Europeu sub 21, o rapper(?) agradava à sua plateia, e isso é que interessa.

Com muito mais intensidade foi a abertura do dia com Sam The Kid a assinar um bom concerto que envolveu tudo e todos. Em palco uma equipa de respeito, onde além dos habituais companheiros se destacavam dois Cool Hipnoise, João Gomes nas teclas e Francisco Rebelo no baixo. Em grande estilo a rimar, com um diálogo muito própria com o público, Sam teve passagem triunfadora pelo Alive. Chegou a levar para o palco uma fã com quem cantou «19/12/95», e andou cá em baixo bem junto ao povo que de vez em quando partilhava o micro. Aposta ganha.

in Disco Digital

Alive Dia 3 - Rescaldo Palco Secundário

Grandes concertos no palco Sagres Mini no último dia do Alive! 07. A maioria dados por artistas lusos - excepção feita ao incrível espectáculo dos suecos The (International) Noise Conspiracy. O final do evento, com os Buraka Som Sistema, não podia ter sido mais frenético.


O calor apertava quando a Tora Tora Big Band inaugurou as hostes no último dia do Alive! 07, isto no palco secundário. O espectáculo incidiu num saboroso cocktail que respira elementos de diversas proveniências, sempre com o reggae como alicerce maior. Convenceram, mas o calor da hora - 17h - atraiu mais os festivaleiros já por esta hora presentes no recinto para as barraquinhas das cervejas. Nigga Poison de seguida, a tocar na mesma hora de Sam the Kid no palco principal. Com dois nomes fortes do hip-hop luso a actuar ao mesmo tempo, o público acabou por centrar-se mais junto ao Palco Optimus, não tendo sido isso entrave, no entanto, para uma sólida actuação dos Nigga Poison. Depois, o rock aterrou no palco Sagres Mini. Em diferentes vertentes: primeiro, os lisboetas The Vicious Five voltaram a agitar as massas mais alternativas, um pouco à imagem do recente concerto dado no Creamfields. Apresentaram alguns temas novos, mas a energia foi a de sempre - contagiante. Bom mais.

Coube aos Wraygunn protagonizar a primeira real enchente do dia no palco secundário, tendo sido largas as centenas de pessoas que preferiram o blues-rock de Paulo Furtado e companhia ao espectáculo dos Da Weasel que decorria a largas centenas de metros de distância, no palco principal. «Shangri-La», o novo trabalho dos Wraygunn, começa a ser totalmente assimilado pelo público, e concertos como o da noite passada só comprovam a singularidade deste colectivo. Sempre recomendáveis.

Os The (Internacional) Noise Conspiracy foram o correspondente internacional à energia dos lusos The Vicious Five. Deram, provavelmente, o mais inglório grande concerto da noite - tocar à mesma hora da estreia em palcos lusos dos Beastie Boys não era tarefa fácil de suportar. Todavia, parece existir em Portugal uma interessante base de fãs destes suecos, que deram um concerto simplesmente notável em todos os sentidos: tecnicamente intocável, cinco estrelas em termos de entrega, felicíssimo na escolha de repertório, que visou, inclusive, algumas novidades. Muita pose rock'n'roll com, felizmente, conteúdo para sustentar tamanha pinta. Foram enormes.

Depois dos Beastie Boys, a romaria voltou-se para o palco secundário para um final de festa demoníaco, responsabilidade dos cada vez mais em alta Buraka Som Sistema. Descrever por palavras um espectáculo desta gente é tarefa, no mínimo, arrojada: estamos na presença de um show - mais que um concerto - francamente hercúleo, que ousou colocar milhares de pessoas, a poucas horas de um dia de trabalho ou aulas, a dançar como se nada mais importasse para além do momento presente. Os Buraka Som Sistema são a actualidade no seu melhor, o aqui e agora. Fazem todo o sentido agora, e isso chega. Podem vir a ser ainda maiores, mas a fasquia já está elevadíssima. Alive! 07, terceiro dia, palco Sagres Mini - ou como os secundários foram, mais do que nunca, principais.

in Disco Digital por Pedro Figeiredo

Alive Dia 3 - Horários

Palco Optimus
Beastie Boys (23h00)
Da Weasel (21h15)
Matisyahu (19h35)
Sam The Kid (18h30)

Palco Mini Sagres
Buraka Som Sistema (00h30)
The (International) Noise Conspiracy (22h50)
WrayGunn (21h30)
Vicious Five (20h10)
Nigga Poison (19h00)
Tora Tora Big Band (18h00)

Alive Dia 3 - Rescaldo Palco Principal

Música e chuva, ligação directa na relação dos Smashing Pumpkins com Portugal. Grande concerto a fechar o segundo dia. Antes, no Palco Optimus, The White Stripes em estreia de global apreço e Balla em boa forma, todavia algo desajustados ao espaço em questão.

«A Grande Mentira» é o melhor disco de Balla, e ao vivo as canções saem bem. Coesas, interligadas. Armando Teixeira apresenta-se em palco acompanhado da formação clássica do rock (guitarra, baixo, bateria), para além de um coro inteiramente feminino. O concerto foi competente e profissional, como esperado. As centenas de pessoas que, ainda de tarde, se acomodaram na frente da plateia reagiram bem ao espectáculo, mas ficou no ar, contudo, a sensação de que o palco Optimus foi grande demais para um projecto do cariz dos Balla. Em analogia futebolística, deu-se o chamado síndrome de jogador de créditos firmados em clubes de meio da tabela que, em disputa por lugares europeus, acaba por - sem comprometer a manutenção assegurada há muito - não conseguir elevar de forma plena a fasquia. Interessante, mas ainda não é este o ano da Liga dos Campeões para Armando Teixeira e companhia.
A estreia dos The White Stripes em Portugal era, indiscutivelmente, um dos grandes destaques da noite de ontem do Alive!. De todo o festival, por arrasto. O concerto dos manos White foi nitidamente para fãs e com um alinhamento que teve em conta ser esta a estreia da banda em Portugal. Com efeito, ouviram-se temas de todos os registos da banda, tendo sido abrangidos temas mais antigos como «Jolene» mas também, em primeira-mão, algumas novidades a incluir em «Icky Thump», a novidade que verá a luz do dia nas próximas semanas. Uma das coisas mais louváveis num espectáculo dos The White Stripes é a forma como dois músicos somente conseguem preencher tanto um palco, não só em riqueza técnica e musicalmente dirigida mas também, ponto-chave, em toda uma presença declaradamente forte e vincada. Meg, discreta na bateria, foi perfeito complemento para o pequeno-grande génio Jack, demoníaco nas guitarras e teclas, catalizador de audiências por natureza. Para o final ficou «Seven Nation Army», a prova viva de que ainda é possível, em pleno séc.XXI, fazer riffs tão memoráveis quanto frescos e intemporais. Excelente concerto.

A nova vida dos Smashing Pumpkins não podia deixar de passar por Portugal, desde sempre um país que teve para com Billy Corgan e respectivos comparsas uma enorme admiração e carinho. Aos primeiros segundos de «Today», história: muito de surpresa, a chuva fez-se notar e as memórias - para quem se lembra - de um histórico concerto, há mais de dez anos, em Cascais (à chuva também) foram inevitáveis. Ontem, no Alive!, fez-se também história com os Smashing Pumpkins. Um pouco em menor escala, evidentemente, mas ainda assim a um nível que poucos, nas suas mais optimistas previsões, arriscariam antever. Uma vez mais, um concerto para fãs - os de sempre e de todos os momentos, que acolhem um tema como «Silverfuck» como um golo da sua equipa (perdoe-se novo traço com o mundo do futebol) ou que vêem em «United States» ou «Starz» (temas do futuro «Zeitgeist») motivos para ainda nos deixarmos encantar pelos Smashing Pumpkins em 2007. Residiu aí, efectivamente, a maior virtude da epifania da noite de ontem - o saber que, lado a lado com os clássicos da adolescência de todos, há ainda um nervo muito presente e actual, que torna os Smashing Pumpkins perfeitamente válidos no panorama actual do pop-rock norte-americano. E Billy Corgan continua tão ou mais carismático como sempre. Apetece trespassar para palavras aquilo que a jovem na primeira fila constantemente filmada a chorar pensaria ao ver um sonho de vida realizado - «Fazes-me falta». Perdoai Inês Pedrosa o empréstimo, mas a verdade é que os Smashing Pumpkins provaram ontem que fizeram mesmo falta. O apreço final de Corgan por mais uma boa noite em solo luso também não deixa margem para manobras: eles também sentiram falta disto. «Zeitgeist», que é como quem diz: bem-vindos de volta.


In Disco Digital por JG e Pedro Figueiredo

alive dia 2 - Rescaldo Palco Secundário

Inesquecível será o melhor adjectivo para descrever o concerto dos The Go! Team no palco secundário, à mesma hora dos Smashing Pumpkins no palco Optimus.

Neste segundo dia o arranque do palco secundário foi feito a todo o gás, bem ao contrário do que tinha acontecido 24 horas antes. Os Dapunksportif, banda de Peniche, abriram cheios de garra o programa das festas por volta das 18h. Já com muito público dentro da tenda, o vocalista Paulo Franco dava o mote para que o povo seguisse o rock bem mexido das canções que fazem parte do disco «Ready! Set! Go!», editado há um ano. Convenceram, e aproveitaram muito bem a sua passagem pelo Alive! 07.

Passagem inaugural pelo palco principal no intuito de ver o rock de ascendência shoegaze dos espanhóis Triangulo de Amor Bizarro. Se o nome da banda foi retirado da lendária canção dos New Order, a verdade é que ouvindo os temas do colectivo, o imaginário deve muito mais aos My Bloody Valentine ou aos Jesus & Mary Chain do que ao projecto (aparentemente agora defunto) de Peter Hook e companhia. A sonoridade - e, como prolongamento, o concerto - não é para todos: quem gosta do estilo consegue descortinar algumas boas variantes do mesmo nos Triangulo, quem nunca gostou também não ficou certamente extasiado com esta actuação. Só para incondicionais.

Primeiro óptimo concerto no palco Sagres Mini pouco depois, com os Plastica a mostrar que a evolução tem-se feito não só em disco mas também em palco. Centraram atenções na novidade «Kaleidoscope», dando um toque apenas no final ao anterior «Red Light Underground», com o single de então «Bugs and Astronauts». Pelo meio, destaque à participação especial de Luís Simões, dos Blasted Mechanism, que brilhou numa bem esgalhada versão de «Bittersweet Symphony», dos The Verve. Rock facção indie, escola britânica, paragem em território luso para quem melhor o pratica. Óptimo.

Entre as 20h e as 21h uma dúvida assaltou a mente de muitos festivaleiros: será que as bandas não estariam de palcos trocados? Isto porque enquanto os Balla se arrastavam no palco principal, os Capitão Fantasma saíam do baú para incendiar a tenda ao fundo do recinto. Com disco novo - «Viva Cadáver» - acabado de editar, a banda volta a mostrar a força do seu rock psychobilly, e não só arrasta velhos fãs como agrada aos que não chegaram a viver os bons tempos de concertos em que se ouvia o «Rock das Caveiras». O vocalista Jorge Bruto continua, no mínimo, imparável em palco.

Às 21h20 deviam actuar os The Dead 60's, mas por problemas com voos a organização acabou por convocar à última da hora os D3O de Coimbra. E não se pode dizer que tenha sido uma passagem feliz por Oeiras. Infelizmente, os D3O foram os mais prejudicados até agora pelo efeito palco principal. O rock do trio até estava a ser bem acolhido, só que aos primeiros acordes dos White Stripes o povo debandou ao ponto da tenda ter ficado apenas com umas poucas de dezenas de pessoas. Nada que tenha atrapalhado o ex-Tédio Boy Toni Fortuna, que apresentou as músicas com a força do costume. No final, ainda incentivaram o pessoal a correr para o palco maior.

O grande concerto do dia no palco Sagres Mini estava reservado para as 23h, altura em que os The Go! Team arrancam para uma actuação inesquecível. Seis músicos em palco incapazes de permanecerem muito tempo seguido nos seus instrumentos, duas baterias, e uma vocalista espectacular que faz jus ao nome de Ninja. Com um ritmo alucinante desafiam a plateia com canções que tão depressa sorriem à pop refrescante, como a seguir visitam os primeiros anos do hip hop. Estranho, mas totalmente eficaz. Esta malta de Brighton, Inglaterra, já tinha dado nas vistas com o disco de 2004 «Thunder Lightning, Strike», mas ao vivo ultrapassa todas as expectativas. Urge trazê-los de volta mesmo porque as músicas apresentadas do disco que vão editar em Setembro convenceram tudo e todos.

in Disco Digital por JG e Pedro Figueiredo

Alive Dia 2 - The Go! Team: Os Vencedores da Noite!

Foi no palco secundário que se deu o caso sério do 2º dia do Alive!07. De Brighton, Inglaterra, para Oeiras chega o fenómeno The Go! Team que com seis frenéticos elementos em palco, com a particularidade de usarem duas baterias ao mesmo tempo, arrasaram quem se quis arriscar uma passagem pelo palco secundário pela hora de jantar.
Liderados por uma carismática MC Ninja, a banda rodopia à volta dos instrumentos em palco à medida que avança com canções que moram algures entre um hip hop clássico, e uma pop fresca, com tudo o que de bizarro tem esta combinação. Excelente ritmo, grande interacção com a plateia, e assim nasce uma lenda. Daqui a uns tempos será um orgulho dizer: eu vi a primeira vez dos The Go! Team em Portugal.

redes sociais

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais sobre mim

foto do autor

Links

actualize-se

Festivais

  •  
  • sirva-se

  •  
  • blogues da vizinhança

  •  
  • músicas do mundo

  •  
  • recordar João Aguardela

  •  
  • ao vivo

  •  
  • lojas

  •  
  • Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2008
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2007
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2006
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D