Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Grandes Sons

Um pouco de música todos os dias. Ao vivo, em vídeo, discos, singles, notícias, fotos. Tudo à volta do rock e derivados.

Grandes Sons

The Stone Roses @ La Cigale, Paris - 04/06/13 por Pedro S. Gonçalves



Faço parte daqueles para quem o lento e trágico final da banda nos 90´s não faz esquecer o quão especial e importante foi sua passagem por este mundo. A esta crónica subjaz portanto um indelével sentimento de gratidão e até reverência por estes quatro working class mancs que em 1989 lançaram um álbum de estreia com uma importância só comparável a um Nevermind the Bollocks...


Não deixa de ser curioso este paralelismo espontâneo que me surgiu agora. Apesar de uma banda ter feito mais um álbum que a outra, 2 a 1 para os Roses e isto se considerarmos seriamente Second Coming, várias vezes se ouvem e lêem teorias sobre o que teria sido se tivessem continuado juntos. É um exercício que me recuso a fazer. Não acredito em determinismos cósmicos e prefiro pensar que ao invés de se terem arrastado em pântanos de mediocridade como tantos outros os Roses ofereceram-nos com o seu álbum de estreia um dos statements artísticos sobre a forma de álbum de música mais honestos e pertinentes de sempre. “It's better to burn out than to fade away” cantou Neil Young.


Estas duas noites em Paris foram marcadas em pouco tempo e teriam como objetivo não deixar que a máquina emperrasse depois de uma pausa de dois meses e antes dos dois grandes concertos agendados há muito para Finsbury Park a 7 e 8 de Junho.

Sobre a noite de dia 4… a mítica e bela La Cigalle não leva mais de 1500 pessoas. Cravada no quartier boémio parisiense mais célebre de Pigalle. Cá fora o forte contingente britânico deixava adivinhar que o jogo seria disputado em casa. Pints e sorrisos sob o saboroso e fugidio sol de Paris deixavam antever uma noite memorável.

 

A previsível I Wanna Be Adored deu início à soiré. E assim que toda a banda se junta na canção a primeira coisa que me veio à cabeça além da histeria generalizada salpicada por pints esvoaçantes foi a qualidade do som. Nas primeiras notas de Elephant Stone fixei-me em Alan Wren. Reni, sobre quem ninguém nada soube desde que saiu abruptamente da banda nos 90´s. É um baterista verdadeiramente único como foram Moon ou Bonham. Consegue ser agressivo quando a canção o exige mas nunca perde o seu swing incomparável. Parece que não toca mas dança sentado atrás da bateria. “Reni swings sweeter than the seine” dizia um pano que encontrou o seu caminho até às mãos de Ian Brown.

 

No palco o ambiente era muito cool. Sorrisos e piadas entre todos, mesmo no habitualmente taciturno John Squire, pareceram-me francamente espontâneos e senti, e se calhar fui só eu, que isso se refletiu na qualidade das versões das músicas que todos sabíamos de cor. Fools Gold, Shoot You Down, Waterfall, She Bangs The Drums, Made of Stone e Love Spreads fizeram a sala cantar em uníssono. Abraços e sorrisos entre desconhecidos fizeram-me esquecer a semi-depressão do verão passado por não os ter visto num dos vários festivais em que tocaram na Europa. Uma banda destas é para ser saboreada num contexto destes. Um milhar e meio de almas a quererem celebrar esta música sem serem importunadas por iphones ao alto ou grupos de amigos barulhentos à espera da próxima banda. Elizabeth My Dear e a incomensurável I Am The Resurection fecharam a noite, sobre a qual nem a ausência de um encore ou de Sally Cinnamon me entristeceu.

 

Não me interessam conversas de reunions feitas a pensar no cheque (não são todas assim?) nem em nostalgia de um tempo que já não existe. As canções estão lá para quem as quiser ouvir. Quatro tipos que cantaram os cinzentos anos 80 da Manchester da defunta Thatcher com uma força que ainda hoje impressiona, pioneiros da dance music with guitars. Ao ouvir temas como Waterfall ou Made of Stone é inevitável lembrar-me do que disse Tom Waits: “I like beautiful melodies telling me terrible things”. Assim são as canções dos Stone Roses, mas com os olhos postos num horizonte diferente. Nosso.

 

Pedro S. Gonçalves

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

redes sociais

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais sobre mim

foto do autor

Links

actualize-se

Festivais

  •  
  • sirva-se

  •  
  • blogues da vizinhança

  •  
  • músicas do mundo

  •  
  • recordar João Aguardela

  •  
  • ao vivo

  •  
  • lojas

  •  
  • Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2008
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2007
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2006
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D