Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Grandes Sons

Um pouco de música todos os dias. Ao vivo, em vídeo, discos, singles, notícias, fotos. Tudo à volta do rock e derivados.

Grandes Sons

Optimus Primavera Sound, dia 1: Blake & Cave, a dupla de sucesso

Arranque glorioso da segunda edição do Optimus Primavera Sound muito por culpa dos concertos de, por ordem crescente, Dead Can Dance, James Blake e Nick Cave & The Bad Seeds que fizeram esquecer o impiedoso frio.

A versão 2013 do Optimus Primavera Sound destaca-se desde logo no lado direito de quem entra onde as ofertas gastronómicas não encontram rival em qualquer outro festival. Um verdadeiro luxo calórico com as francesinhas do Cufra, as bifanas da Conga, os biscoitos da Ribeiro e o pernil em pão do Guedes, que ganha de longe no título de maior eterna fila durante toda a noite. E há muito mais para escolher na área de restauração que está sempre muito movimentada. Assistimos a momentos cómicos quando ingleses tentam perceber o que são francesinhas olhando admirados para a iguaria e nenhum local conseguiu explicar sem oferecer uma garfada.

 

A movimentação no recinto ainda não atingiu o auge neste primeiro dia uma vez que só há dois palcos a funcionar e estão lado a lado no fim da mesma encosta mas já vislumbrámos algumas daquelas personagens que caracterizam este festival. Muitos britânicos de calções, alguns de T-shirts indiferentes ao frio e muitos rendidos aos elegantes copos de vinho (custam 1 euro sem vinho) sempre recarregados. Um óptimo desígnio que conhecemos do ano passado e que se vai repetir seguramente este ano.

 

No que diz respeito aos palcos comecemos pelo concerto que concentrou a maior multidão da noite. Nick Cave & The Bad Seeds trouxe consigo o novo disco «Push The Sky Away» mas recorreu a clássicos como «Red Right Hand», «The Weeping Song», «Jack The Riper» e «Tupelo» - uma sequência real - para tornar este reencontro com os fãs portugueses ainda mais inesquecível. Nick Cave continua a ser um figura de topo no imaginário rock´n´roll com uma postura felina e agressiva em palco acabando muitas vezes a cantar literalmente em cima da plateia.

É de uma entrega contagiante e as presenças de Barry Adamson ou Warren Ellis, que tanto brilhou aqui no ano passado, numa segunda linha ocupados nos seus instrumentos ajudam a transmitir um quadro lendário para quem assiste. Entra directo para o top de melhores concertos do festival deixando a fasquia bem alta.

 

A grande debandada rumo à saída que se viu logo após o final do concerto do australiano significava que a maioria do público tinha vindo para ver Nick Cave e que despreza ou desconhece o poder da música de James Blake.

Antes disso os Deerhunter confirmaram em palco o bom momento de inspiração que mostram no recente disco «Monomania» sem esquecerem «Halcyon Digest», álbum que fez furor em 2010. Os norte-americanos convenceram e foram aprovados pelos muitos resistentes ao frio e ao cansaço.

James Blake pelas 3 da manhã é um figura incrível a aparecer nos ecrãs que ladeiam o palco, ar de menino bem comportado e expressões tranquilas de quem está concentrado na sua música encantadora. Ouvimos ao nosso lado alguém dizer que o timbre da voz marca toda a diferença, não ultrapassa os limites aceitáveis de um Antony Hegarty, por exemplo, e mantém-se no domínio do fascinante. Já vimos James Blake meio perdido num palco secundário do Alive, já o vimos intimista no Tivoli de Lisboa, agora encontramos o artista no seu auge, seguro e com um reportório forte que resulta num alinhamento convincente. Podia ir para palco com o seu laptop e cantar por cima de camadas instrumentais pré-gravadas mas prefere uma experiência mais orgânica rodeando-se de bons músicos que dão vida a «Digital Lions», «To The Last» ou «Limit To Your Love» com classe. Juntamente com Nick Cave, James Blake assinou o melhor concerto do primeiro dia.

 

Antes os Dead Can Dance não desiludiram ninguém, e havia muita gente para os ver, mas facilmente se imagina temas como «Children of the Sun», «Opium» ou «Amnesia» em local mais recatado e intimista. Quem conseguiu fixar-se na frente do palco e entrar na narcótica viagem comandada superiormente por Brendan Perry e a imperturbável Lisa Gerrard ficou a ganhar uma experiência histórica com passagem pelos anos 80 e 90. Justificaram o culto.

 

Menos brilhantes estiveram as manas Deal que vieram mostrar o quanto vale ainda «Last Splash», disco com 20 anos e que é mais conhecido como o disco onde está «Cannonball», um tema que quando é tocado obtém a seguinte reacção: «Ah, isto é das Breeders. Grande malha». Claro que o disco vale mais do que isso mas nem o entusiasmo em palco foi muito nem a reacção na plateia puxava por mais. Ficou o momento simbólico.

 

Hoje há mais e maior oferta. E frio, venham agasalhados.

 

João Gonçalves

in Disco Digital

 

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

redes sociais

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais sobre mim

foto do autor

Links

actualize-se

Festivais

  •  
  • sirva-se

  •  
  • blogues da vizinhança

  •  
  • músicas do mundo

  •  
  • recordar João Aguardela

  •  
  • ao vivo

  •  
  • lojas

  •  
  • Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2008
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2007
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2006
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D