Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Grandes Sons

Um pouco de música todos os dias. Ao vivo, em vídeo, discos, singles, notícias, fotos. Tudo à volta do rock e derivados.

Grandes Sons

Super Bock Super Rock, dia 3: Meco, sol e pouco rock

 

No último dia do Super Bock Super Rock, estiveram cerca de 25 mil pessoas mas quantas queriam ver Peter Gabriel? O que podia ter sido um concerto memorável, tornou-se um momento penoso.

 

O Super Bock Super Rock não correu bem. Escasso e desinteressado público, vazio de concertos memoráveis e um estado de espírito geral atípico para um momento que se quer de celebração. O contexto social pode não ser de festa mas se há papel que os festivais têm assumido é o do entretenimento, com os concertos como ponto de partida para uma partilha de emoções que, na idade adulta deste tipo de eventos, ultrapassa largamente a música.

Daí que um espectáculo que podia ser belíssimo num outro anfiteatro - por exemplo, no Cool Jazz Fest - se tenha transformado numa marcha penosa e profundamente descontextualizada num festival que tem como perfil «massas informadas». De experiências anteriores, já se sabia que músicos pré-geração de 80 não motivam os pais a sair de casa para ir ao festival dos filhos. Tinha sido assim no Optimus Alive em 2008 com Bob Dylan e Neil Young. Bruce Springsteen é de outra galáxia.

 

No caso de Peter Gabriel, o enriquecimento musical da New Blood Orchestra contribuiu ainda mais para o vexame de um concerto que só teve dimensão de palco e alguns (poucos) indefectíveis à frente. A abertura com «Heroes», de David Bowie, perante a passividade geral fez soar o alarme para um alinhamento que só aqueceu verdadeiramente num final em que se ouviram «Solsbury Hill», «Biko» e «Don´t Give Up».

Foi um monumental mas evitável erro de casting que reforçou a conclusão a tirar deste Super Bock Super Rock:  em tempo de vacas magras, só um cartaz conciso como o do ano passado com Strokes, Portishead, Arctic Monkeys e Arcade Fire ou uma atracção irrecusável faz mover o público. Perante concorrência fortíssima vinda de Algés e a má imagem deixada pelo festival nos dois anos anteriores, o desinteresse ficou patente até no recinto. Ironicamente, no ano em que a organização melhorou a olhos vistos (menos pó, mais luz, ausência de trânsito e de filas na restauração), o exame mal chegou a começar. Ganhou-se em conforto aquilo que se perdeu em calor humano mas o saldo, do ponto de vista da emotividade, foi negativo.

 

Ao longo de todo o festival, houve sempre algum pormenor a falhar. Por exemplo, no terceiro dia Aloe Blacc tem deu um concerto empolgante, capaz de dosear canções de carácter expansivo como «Loving You Is Killing Me», a obrigatória «I Need A Dollar» e versões como «Be Thankful For What You´ve Got» mas porque razão tocou ainda com a luz do dia e uns Shins já fora de época ficaram com o prime time é um enigma que só as companhias aéreas provavelmente saberão responder.

Ou Skrillex com um live act poderosíssimo mas traído pela qualidade de som do palco EDP, o tal que ficou sem luz durante o concerto de Little Dragon, um problema que já dura de há vários festivais a esta parte e não apenas o SBSR. Mas é indiscutível que o único aglutinador de multidões da última noite foi o produtor de dubstep virulento, o que não surpreende porque se trata de alguém que toca nos corações do festivaleiro típico. 

 

Pode não se gostar dos beats gordos e duros cheios de wubs mas Skrillex tem uma noção de dinâmica muito apurada, à qual é acrescentada uma dimensão visual com jogos de luzes e vídeo-arte do melhor que se conhece no panorama superstar DJ. Mas no palco «secundário», é impossível esquecer o crowdsurfing de St. Vincent e a candura de Regina Spektor, também convidada de Peter Gabriel. 

 

por: Davide Pinheiro, Disco Digital 

davidevasconcelos@gmail.com

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

redes sociais

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais sobre mim

foto do autor

Links

actualize-se

Festivais

  •  
  • sirva-se

  •  
  • blogues da vizinhança

  •  
  • músicas do mundo

  •  
  • recordar João Aguardela

  •  
  • ao vivo

  •  
  • lojas

  •  
  • Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2008
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2007
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2006
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D