Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Grandes Sons

Um pouco de música todos os dias. Ao vivo, em vídeo, discos, singles, notícias, fotos. Tudo à volta do rock e derivados.

Grandes Sons

Rolling Stones@Estádio Alvalade XXI: Ao Rubro

O que o leitor procura aqui é saber se um concerto dos Rolling Stones a meio de 2007 ainda vale o esforço, e especialmente o preço do bilhete. A resposta é clara: sim, vale! Depois há os que já os viram noutras digressões, ou até mesmo nesta, e os que se estrearam ontem à noite. Para os repetentes as comparações são inevitáveis, para quem os viu pela primeira vez só pode ter saído de Alvalade satisfeito.

Assumo desde já que esta foi a terceira experiência ao vivo com os Stones, daí que tenha de cair em algumas comparações com os concertos de Coimbra, e muito especialmente com o do Dragão, já que a digressão é a mesma.

Faltam poucos minutos para as 22 horas quando, finalmente, a noite caiu em Lisboa. As luzes do estádio fecham-se e passados poucos segundos surge a figura única do «pirata» Keith Richards ao som de «Start Me Up». Todas as dúvidas à volta da performance da banda caem por terra. Só a presença dos quatro Rolling Stones ali à nossa frente, e ampliados num gigantesco écran que faz parte da monumental estrutura que é o cenário desta Big Band Tour, serve para nos emocionar e desatar a cantar e pular com Mick Jagger. Estamos a partilhar um pedaço da história do rock n’roll com lendas vivas.

A partir daqui já se sabe... Muita energia, comunicação em português, grande profissionalismo, admirável sentido de respeito pelo seu público, ontem à volta de 30 mil crentes, e uma motivação absolutamente fascinante em continuar a mostrar canções de agora e de sempre.

Então em que é que este concerto foi diferente, e o que vai ficar na memória dos que o viram? A surpresa maior aconteceu ao sexto tema quando a fadista Ana Moura entra em cena para cantar com Jagger «No Expectations». E realmente fizeram por fazer valer o sentido do título já que o momento teve tanto de simbólico como de desastroso.

Em oposição temos que destacar a presença de Lisa, senhora de uma portentosa voz com grande presença no palco onde salta com facilidade dos coros para a a boca de cena. Outra novidade foi a referência a James Brown quando apresentaram uma excelente versão de «I`ll Go Crazy». Aliás, as maiores diferenças foram a nível musical com a banda a tocar muito descontraída canções que tinham ficado de fora anteriormente. O destaque vai para a visível boa disposição de Ron Wood sempre pronto a dar contornos «blues» às versões mais longas.

De grande impacto visual continua a ser «Sympathy For The Devil». Suponho que o mais aguerrido adepto do clube que joga naquele relvado não terá achado piada ao ver o seu Topo Sul bem vermelho, a fumegar e a arder como um inferno, enquanto Jagger, e Charlie Watts, vestiam trajes encarnados. Um grande momento sempre ampliado pela som das enormes explosões com que acaba o tema.

O palco voltou a deslizar até à bancada oposta, tal como tem acontecido sempre nesta digressão, sendo o momento preferido dos fãs que ficaram cá mais atrás.

Por último falemos do ícone Keith Richards. Agora, mais do que nunca, o guitarrista goza de total admiração, e veneração, da assistência. Continua a ter direito a cantar duas músicas, destaque para «You Got the Silver», e a sua imagem é aclamada por todos. Um senhor. Uma lenda.

O factor mais negativo desta quinta passagem dos Stones por Portugal foi a qualidade do som. Fraco para quem viu o concerto mais do lado das bancadas centrais.

De resto tudo como dantes, a língua continua a encatar, e os homens insistem em mostrar ao vivo o segredo da jovialidade.

Excelente.

in: Disco Digital

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

redes sociais

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais sobre mim

foto do autor

Links

actualize-se

Festivais

  •  
  • sirva-se

  •  
  • blogues da vizinhança

  •  
  • músicas do mundo

  •  
  • recordar João Aguardela

  •  
  • ao vivo

  •  
  • lojas

  •  
  • Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2008
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2007
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2006
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D