Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Grandes Sons

Um pouco de música todos os dias. Ao vivo, em vídeo, discos, singles, notícias, fotos. Tudo à volta do rock e derivados.

Grandes Sons

Super Bock Super Rock 2017: Na Nova Expo, Agora a Mascote é Slow J

slowj.jpg

 O Super Rock Super Bock viveu a sua 23ª edição no 3º ano de vida no Parque das Nações. Um dos festivais mais antigos do país tem a sua história feita de mudanças, riscos e desafios. Começou à beira Tejo, na zona de Alcântara, mais tarde passou pela zona da outra ponte sobre o Tejo, chegou a sair de Lisboa, tentou fixar-se no Meco e acabou a dinamizar uma área simbólica da famosa Expo'98.

Podemos mesmo dizer que o festival acaba por reavivar o espírito da Expo, à sua maneira, claro está, durante estes três dias de música entre a FIL e o Oceanário de Lisboa.

Se a localização tem sido um constante desafio, a programação tem sido uma dor de cabeça. Uma boa dor de cabeça, entenda-se. É preciso acompanhar as novas tendências, saber o que pode arrastar público, onde estão as bandas que vão ter sucesso em breve e saber divulgar a música nacional.

O Super Bock Super Rock, versão Parque das nações, acertou desde logo no palco menos espaçoso, aquele que é dedicado aos artistas portugueses que estão nos primeiros passos. Primeiro com a Antena3, agora com a rádio da casa, a SBSR.FM. Aí não tem sido complicado arranjar nove nomes por ano para mostrarem o que valem. Prova disso são as promoções de Capitão Fausto e, especialmente, Slow J. Os primeiros tiveram a honra de tocar no palco maior antes dos mais aclamados do evento, os Red Hot Chili Peppers. O segundo é um caso à parte. Destaque para o rock dos Stone Dead que ganhou muitos seguidores ali, tal como Manuel Fúria e os Náufragos e os Throes + The Shine, todos souberam aproveitar ao máximo as oportunidades.

 

Slow J é a medalha mais valiosa que o este novo formato do SBSR tem para mostrar. Fruto de uma aposta forte na música nacional, o festival promoveu o rapper português do palco mais pequeno para o Palco EDP e já anunciou a sua chegada ao Palco Super Bock do MEO Arena no próximo ano.

Nada a dizer quanto ao aproveitamento do talento nacional. Também não há muito por criticar no Palco EDP, o tal que recebe a plateia debaixo da icónica pala do Pavilhão de Portugal. Um cartaz sempre agradável, com nomes relevantes, algumas surpresas, propostas menos óbvias ou mais alternativas e indies, como preferirem. Tem acabado por dar bons frutos, este palco, que ora projecta nomes para o Vodafone Mexefest, por exemplo, ora os vai resgatar em bom tempo, como aconteceu com Silva, por exemplo. O Palco LG mistura propostas de música lusófona, uns com mais sucesso do que outros, obviamente. A passagem de Seu Jorge era boa no papel, foi aborrecida na prática. A presença dos Boogarins foi uma aposta bem ganha. Fez-se história com o projecto Língua Franca ao vivo, The Legendary Tigerman marcou o momento com a apresentação do seu novo trabalho e até Bruno Pernadas encantou ao fim da tarde.

Em sentido contrário estiveram os The Gift que tiveram que suar por manter um reduzida plateia e tentar aumentá-la de forma inesperada. O novo disco não chegou para captar a atenção dos festivaleiros que ignoraram a banda de Sónia Tavares de forma surpreendente.

Isto leva-nos à discussão mais delicada do actual Super Rock Super Bock. Os outros dois espaços estão bem resolvidos, o grande dilema mantém-se no MEO Arena, um espaço grande que precisa de nomes atraentes para não ficar com um ar desolador para quem toca e para quem vê.

E depois saber por onde quer ir o festival. No primeiro ano desta nova vida, o mote foi dado com a presença de Sting. Ficou provado que com um nome maior do pop/rock mundial faz-se, pelo menos, um dia em termos de bilheteira. Este ano a fórmula foi comprovado com os Red hot Chili Peppers, que deram um bleo concerto, diga-se. E até com os Deftones que, ainda, conseguem arrastar uma dedicada multidão em número considerável, assinando também um excelente concerto.

Junte-se aquele dia inesquecível do ano passado em que Kendrick Lamar levou à loucura um MEO Arena esgotado e, aparentemente, tínhamos uma fórmula vencedoras. Ou seja, um dia dedicado ao universo hip hop com um nome da primeira linha a fechar o cartaz e duas bandas de reputação insuspeita para os outros dias.

Funcionou bem com os Red Hot Chili Peppers, funcionou de maneira aceitável com Deftones mas sentiu-se a falta de um cartaz mais equilibrado no MEO Arena. E a aposta no Hip Hop pedia uma continuação em vez de um tiro no escuro, como foi o caso de Future. A sequência lógica a Lamar seria um Drake, por exemplo. Já nem vamos para Kanye West ou Jay-Z, que financeiramente não são alcançáveis para estes orçamentos. Mesmo o Drake já faz parte de um pote de Champions League musical, em termos de cachet.

Future podia ser aposta certa, tem hits à escala mundial e discos apreendidos pelas novas gerações, basta recordar as batidas de "Mask Off" para ver que não estamos a exagerar aqui. Mas ao vivo aquilo foi tudo o que o festival não precisava, foi o concerto de Kendrick Lamar mas ao contrário. E nem estou a dizer que foi bom ou mau, aí concordo com o Rui Miguel Abreu, nem dá para entender muito bem o que aconteceu ali.

Esperava-se mais porque o SBSR deu-nos a luz há um ano com Kendrick. Este ano podemos agradecer o superior concerto dos London Grammar que ficam a pedir nova convocatória em nome próprio.

Os Foster the People fizeram prova de vida e sabem que nunca mais farão outro "Pumped Up Kicks", a The Power Generation toca muito bem aquelas músicas de Prince mas nem Bilal nem Ana Moura nos conseguem perder a ansiedade de o ver entrar em palco a qualquer momento. Kevin Morby e James Vincent McMorrow, Jessei Reyez, The Orwells e Tom Barman, têm todos um lugar no nosso coração, como alguns deles já sabiam.

 

A modalidade olímpica portuguesa de bater no som do MEO Arena não pode servir para tudo, os Deftones e o experiente DJ Fatboy Slim provaram que o som pode ter qualidade quando se tem profissionais que o saibam trabalhar. Não por acaso, tiveram a plateia cheia e rendida até ao fim.

Acabar a comparar este festival que leva cerca de 60 mil pessoas (tendo em conta a lotação do MEO Arena) em 3 dias com outro que só numa noite alberga mais de 50 mil festivaleiros é, no mínimo, desonesto intelectualmente. Ambos têm o seu lugar de destaque no topo do mediatismo da época de festivais. Ambos estão a cumprir os seus objectivos. São realidades diferentes.

O Super Bock Super Rock está à procura de se fixar numa zona que deu muitas alegrias ao portugueses e está à procura do formato de cartaz perfeito. A ideia está lá, o rumo parece correcto, só falta ser eficaz na elaboração do espaço a preencher pelas nove bandas anuais no Palco Super Bock, como expliquei atrás. Os outros dois palcos vão bem. Não esquecendo o Palco Carlsberg que recebe os mais resistentes madrugada dentro na Sala Tejo com propostas mais dançáveis. Aqui os portugueses continuam a dar cartas com a qualidade de Xinobi, Beatbombers ou Magazino e com a ajuda de gente boa internacional como os Tuxedo.

Para já, o festival é de Slow J. E isso já é bom.

redes sociais

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

grandes sons de 2017

agenda

Mais sobre mim

foto do autor

Links

actualize-se

Festivais

  •  
  • sirva-se

  •  
  • blogues da vizinhança

  •  
  • músicas do mundo

  •  
  • recordar João Aguardela

  •  
  • ao vivo

  •  
  • lojas

  •  
  • Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2008
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2007
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2006
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D