Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Grandes Sons

Um pouco de música todos os dias. Ao vivo, em vídeo, discos, singles, notícias, fotos. Tudo à volta do rock e derivados.

Grandes Sons

O FMM Sines Chega Hoje ao Castelo

fmm.jpg

 

 

  • * MEDEIROS/LUCAS (Açores - Portugal)

    Centro de Artes de Sines - Auditório | 17h00
     
  • CRISTINA BRANCO (Portugal)

    Castelo | 19h00
     
  • METÁ METÁ (Brasil)

    Av. Vasco da Gama | 20h15
     
  • ** SAVINA YANNATOU & PRIMAVERA EN SALONICO (Grécia)

    Castelo | 22h00
     
  • ** RICHARD BONA MANDEKAN CUBANO (Camarões / Cuba)

    Castelo | 23h15
     
  • ** DEN SORTE SKOLE (Dinamarca)

    Castelo | 00h30
     
  • IFRIQIYYA ÉLECTRIQUE (França / Itália / Tunísia)

    Av. Vasco da Gama | 02h00
     
  • LA MAMBANEGRA (Colômbia)

    Av. Vasco da Gama | 03h30

 

MIMO Festival Amarante: Enchente de público em ano de consagração

mimo.jpg

 Depois do sucesso da estreia em Portugal em 2016, o MIMO Festival Amarante dá este ano provas de que veio para ficar. Ao longo de três dias, a segunda edição do festival trouxe à cidade de Amadeo de Souza-Cardoso e Teixeira de Pascoaes mais de 60 mil pessoas, que se dividiram pelos diferentes palcos do MIMO.

Música, cinema, poesia, workshops e palestras com vários dos artistas convidados, num total de 52 actividades, fizeram as delícias das milhares de pessoas - de diferentes gerações e vindas de vários pontos do país e do estrangeiro  - que participaram na edição deste ano do MIMO. Herbie Hancock, Jards Macalé, Tinariwen, Nação Zumbi, Anne Paceo, Girma Bèyènè & Akalé Wubé, Richard Bona e Mandekan Cubano, Hamilton de Holanda e Mayra Andrade foram alguns dos artistas e grupos que conquistaram a atenção de todos. 

Apesar de ainda não ter chegado ao fim – hoje ainda actuam Ala.Ni, Ricardo Ribeiro, Rodrigo Amarante, Céu e Manel Cruz -, o estrondoso sucesso do MIMO em Portugal está à vista de todos, nas enchentes de público em todos os espaços e nas ruas da cidade, nos sorrisos do público e nos agradecimentos dos artistas que se renderam a Amarante. 

"Amarante recebeu o MIMO de braços abertos e este ano quisemos retribuir reforçando a programação artística. Fizemos uma grande aposta e estamos muitos felizes porque é notória a satisfação do público. Além disso, é visível o impacto económico que o festival tem na cidade e no turismo da região Norte. Recebemos muitos elogios pelas propostas artísticas que fizemos, mas também pelo programa MIMO Sem Barreiras que desenvolvemos com a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, que tornou o festival mais acessível a todos", afirmou Lu Araújo, a directora do MIMO Festival que, depois de 13 anos no Brasil, resolveu trazer para Portugal o conceito deste que é mais do que um festival, é uma experiência cultural de acesso livre a todos. 

Para José Luís Gaspar, Presidente da Câmara de Amarante, "o balanço da edição 2017 do MIMO Amarante faz-se com duas palavras: estrondoso sucesso!" E, acrescenta, " sendo previsível o crescimento em relação à primeira edição, a verdade é que o festival voltou a superar as melhores expectativas. Trata-se, efetivamente, da confirmação da história de amor entre o MIMO e Amarante e também de um enorme sinal da consolidação do projecto em Portugal. Esta é uma aposta ganhar e isso sente-se na cidade e nas pessoas. Por tudo isto é, para mim, representante do Município, um gosto enorme poder anunciar o regresso do festival em 2018".

O MIMO a Amarante está confirmado para 2018, acontece nos dias 20, 21 e 22 de Julho. 

Cerca de 12 mil pessoas participaram nesta 5ª edição do NOS Summer Opening

opening.JPG

 

Cerca de 12 mil pessoas viveram esta 5ª edição do NOS Summer Opening, no Funchal, num ano em que, pela primeira vez, o festival teve lotação esgotada no primeiro dia. “O balanço que fazemos é muito positivo porque sentimos as boas energias e vibrações que caracterizam NOS Summer Opening, vimos que as pessoas estavam felizes, vimos os artistas extremamente contentes por terem cá estado e tudo se conjugou para que fosse um fim-de-semana de festa e de Verão e para que seja o evento de Verão na Madeira”, referiu Gonçalo Camacho, da organização do festival.

O responsável não pôde deixar de salientar o facto de, no primeiro dia, o festival ter atingido, pela primeira vez, lotação esgotada. “É um grande motivo de orgulho, foram cerca de 7 mil pessoas no Parque de Santa Catarina e o sábado foi igualmente uma das melhores noites, sendo que tivemos cerca de 5 mil pessoas no parque”, realçou. No total das duas noites, cerca de 12 mil pessoas passaram pelo Parque de Santa Catarina. “Foi a melhor edição de sempre do NOS Summer Opening”, acrescentou, avançando, “com toda a certeza, que o festival vai acontecer em 2018”.

E ontem, último dia do festival, passaram primeiro pelo palco os madeirenses Men on the Coach. Depois, a actuação de Dillaz levou o muito público jovem ao rubro. A noite foi sempre em crescendo, e Mundo Segundo e Sam The Kid continuaram a levar boas vibrações ao público que cantou e dançou com esta actuação. “Eu sabia que era um festival especial, que era provavelmente o festival mais forte da ilha da Madeira e eu, pessoalmente, estou radiante, vou para casa mesmo com o coração cheio”, confessou Mundo Segundo.

Sam The Kid fez suas as palavras do colega. “Estive cá no ano passado com os Orelha Negra e desde o ano passado que fiquei com vontade de voltar porque senti o público com muita fome de interagir”, afirmou, confessando que, tal como Mundo Segundo vai “muito satisfeito para casa”. “Foi melhor do que o que estava à espera”, acrescentou.

O final ficou reservado para Nelson Freitas, o artista holandês com raízes cabo-verdianas que pôs muita gente a dançar ao ritmo dos sons quentes. “Correu tudo muito bem, o público deu muito amor e muita energia”, descreveu, garantindo que ficou “com muita vontade de voltar”. “Com este público maravilhoso, por mim seria já amanhã”, gracejou.

Com a sexta edição já garantida, só podemos dizer: até para o ano!

FMM Sines em Porto Covo, Dia 2: Programação e Horários

fmm pc.jpg

 O FMM Sines arrancou ontem com a manga de Porto de Corvo. Neste primeiro fim de semana os concertos são em Porto Covo e todos de entrada livre. O programa para hoje é o seguinte:

  • COSTA NETO & JOÃO AFONSO (Moçambique / Portugal)

    Largo Marquês de Pombal | 19h00
     
  • GUSTAVITO & A BICICLETA (Brasil)

    Largo Marquês de Pombal | 20h45
     
  • WALDEMAR BASTOS (Angola)

    Largo Marquês de Pombal | 22h30
     
  • MABANG (Guangxi - China)

    Largo Marquês de Pombal | 23h45

 

Alt-J no MEO Arena em Janeiro

altj.jpg

 Alt-J num concerto em nome próprio, dia 6 de janeiro, em Lisboa. O trio sobe ao palco do MEO Arena nos primeiros dias do ano para apresentar aos fãs o terceiro registo de originais, “RELAXER”. Depois de um concerto grandioso no passado dia 06 de julho no NOS Alive’17, onde a banda teve a oportunidade de ver uma multidão conquistada com os novos temas revelados em primeira mão, o trio traz agora a Portugal o espetáculo próprio de apresentação deste novo trabalho, que entrou diretamente no Top de vendas no Reino Unido e que com pouco tempo de vida já recebeu fortes elogios da crítica especializada.

Super Bock Super Rock 2017: Na Nova Expo, Agora a Mascote é Slow J

slowj.jpg

 O Super Rock Super Bock viveu a sua 23ª edição no 3º ano de vida no Parque das Nações. Um dos festivais mais antigos do país tem a sua história feita de mudanças, riscos e desafios. Começou à beira Tejo, na zona de Alcântara, mais tarde passou pela zona da outra ponte sobre o Tejo, chegou a sair de Lisboa, tentou fixar-se no Meco e acabou a dinamizar uma área simbólica da famosa Expo'98.

Podemos mesmo dizer que o festival acaba por reavivar o espírito da Expo, à sua maneira, claro está, durante estes três dias de música entre a FIL e o Oceanário de Lisboa.

Se a localização tem sido um constante desafio, a programação tem sido uma dor de cabeça. Uma boa dor de cabeça, entenda-se. É preciso acompanhar as novas tendências, saber o que pode arrastar público, onde estão as bandas que vão ter sucesso em breve e saber divulgar a música nacional.

O Super Bock Super Rock, versão Parque das nações, acertou desde logo no palco menos espaçoso, aquele que é dedicado aos artistas portugueses que estão nos primeiros passos. Primeiro com a Antena3, agora com a rádio da casa, a SBSR.FM. Aí não tem sido complicado arranjar nove nomes por ano para mostrarem o que valem. Prova disso são as promoções de Capitão Fausto e, especialmente, Slow J. Os primeiros tiveram a honra de tocar no palco maior antes dos mais aclamados do evento, os Red Hot Chili Peppers. O segundo é um caso à parte. Destaque para o rock dos Stone Dead que ganhou muitos seguidores ali, tal como Manuel Fúria e os Náufragos e os Throes + The Shine, todos souberam aproveitar ao máximo as oportunidades.

 

Slow J é a medalha mais valiosa que o este novo formato do SBSR tem para mostrar. Fruto de uma aposta forte na música nacional, o festival promoveu o rapper português do palco mais pequeno para o Palco EDP e já anunciou a sua chegada ao Palco Super Bock do MEO Arena no próximo ano.

Nada a dizer quanto ao aproveitamento do talento nacional. Também não há muito por criticar no Palco EDP, o tal que recebe a plateia debaixo da icónica pala do Pavilhão de Portugal. Um cartaz sempre agradável, com nomes relevantes, algumas surpresas, propostas menos óbvias ou mais alternativas e indies, como preferirem. Tem acabado por dar bons frutos, este palco, que ora projecta nomes para o Vodafone Mexefest, por exemplo, ora os vai resgatar em bom tempo, como aconteceu com Silva, por exemplo. O Palco LG mistura propostas de música lusófona, uns com mais sucesso do que outros, obviamente. A passagem de Seu Jorge era boa no papel, foi aborrecida na prática. A presença dos Boogarins foi uma aposta bem ganha. Fez-se história com o projecto Língua Franca ao vivo, The Legendary Tigerman marcou o momento com a apresentação do seu novo trabalho e até Bruno Pernadas encantou ao fim da tarde.

Em sentido contrário estiveram os The Gift que tiveram que suar por manter um reduzida plateia e tentar aumentá-la de forma inesperada. O novo disco não chegou para captar a atenção dos festivaleiros que ignoraram a banda de Sónia Tavares de forma surpreendente.

Isto leva-nos à discussão mais delicada do actual Super Rock Super Bock. Os outros dois espaços estão bem resolvidos, o grande dilema mantém-se no MEO Arena, um espaço grande que precisa de nomes atraentes para não ficar com um ar desolador para quem toca e para quem vê.

E depois saber por onde quer ir o festival. No primeiro ano desta nova vida, o mote foi dado com a presença de Sting. Ficou provado que com um nome maior do pop/rock mundial faz-se, pelo menos, um dia em termos de bilheteira. Este ano a fórmula foi comprovado com os Red hot Chili Peppers, que deram um bleo concerto, diga-se. E até com os Deftones que, ainda, conseguem arrastar uma dedicada multidão em número considerável, assinando também um excelente concerto.

Junte-se aquele dia inesquecível do ano passado em que Kendrick Lamar levou à loucura um MEO Arena esgotado e, aparentemente, tínhamos uma fórmula vencedoras. Ou seja, um dia dedicado ao universo hip hop com um nome da primeira linha a fechar o cartaz e duas bandas de reputação insuspeita para os outros dias.

Funcionou bem com os Red Hot Chili Peppers, funcionou de maneira aceitável com Deftones mas sentiu-se a falta de um cartaz mais equilibrado no MEO Arena. E a aposta no Hip Hop pedia uma continuação em vez de um tiro no escuro, como foi o caso de Future. A sequência lógica a Lamar seria um Drake, por exemplo. Já nem vamos para Kanye West ou Jay-Z, que financeiramente não são alcançáveis para estes orçamentos. Mesmo o Drake já faz parte de um pote de Champions League musical, em termos de cachet.

Future podia ser aposta certa, tem hits à escala mundial e discos apreendidos pelas novas gerações, basta recordar as batidas de "Mask Off" para ver que não estamos a exagerar aqui. Mas ao vivo aquilo foi tudo o que o festival não precisava, foi o concerto de Kendrick Lamar mas ao contrário. E nem estou a dizer que foi bom ou mau, aí concordo com o Rui Miguel Abreu, nem dá para entender muito bem o que aconteceu ali.

Esperava-se mais porque o SBSR deu-nos a luz há um ano com Kendrick. Este ano podemos agradecer o superior concerto dos London Grammar que ficam a pedir nova convocatória em nome próprio.

Os Foster the People fizeram prova de vida e sabem que nunca mais farão outro "Pumped Up Kicks", a The Power Generation toca muito bem aquelas músicas de Prince mas nem Bilal nem Ana Moura nos conseguem perder a ansiedade de o ver entrar em palco a qualquer momento. Kevin Morby e James Vincent McMorrow, Jessei Reyez, The Orwells e Tom Barman, têm todos um lugar no nosso coração, como alguns deles já sabiam.

 

A modalidade olímpica portuguesa de bater no som do MEO Arena não pode servir para tudo, os Deftones e o experiente DJ Fatboy Slim provaram que o som pode ter qualidade quando se tem profissionais que o saibam trabalhar. Não por acaso, tiveram a plateia cheia e rendida até ao fim.

Acabar a comparar este festival que leva cerca de 60 mil pessoas (tendo em conta a lotação do MEO Arena) em 3 dias com outro que só numa noite alberga mais de 50 mil festivaleiros é, no mínimo, desonesto intelectualmente. Ambos têm o seu lugar de destaque no topo do mediatismo da época de festivais. Ambos estão a cumprir os seus objectivos. São realidades diferentes.

O Super Bock Super Rock está à procura de se fixar numa zona que deu muitas alegrias ao portugueses e está à procura do formato de cartaz perfeito. A ideia está lá, o rumo parece correcto, só falta ser eficaz na elaboração do espaço a preencher pelas nove bandas anuais no Palco Super Bock, como expliquei atrás. Os outros dois palcos vão bem. Não esquecendo o Palco Carlsberg que recebe os mais resistentes madrugada dentro na Sala Tejo com propostas mais dançáveis. Aqui os portugueses continuam a dar cartas com a qualidade de Xinobi, Beatbombers ou Magazino e com a ajuda de gente boa internacional como os Tuxedo.

Para já, o festival é de Slow J. E isso já é bom.

Pág. 1/3

redes sociais

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

grandes sons de 2017

agenda

Mais sobre mim

foto do autor

Links

actualize-se

Festivais

  •  
  • sirva-se

  •  
  • blogues da vizinhança

  •  
  • músicas do mundo

  •  
  • recordar João Aguardela

  •  
  • ao vivo

  •  
  • lojas

  •  
  • Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2008
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2007
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2006
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D